Sala de Imprensa

Feriado prolongado de Páscoa tem previsão de sol e calor

18/04/19 12:17 - Quinta-feira

De acordo com previsão do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura de São Paulo, o feriado prolongado de Páscoa, transcorre com tempo estável.


“O ar mais seco ganha força sobre a Grande São Paulo, o que vai garantir tempo estável e ensolarado no fim de semana de Páscoa”, comenta o meteorologista do CGE da Prefeitura de São Paulo Thomaz Garcia.


A sexta-feira (19), Paixão de Cristo, começa com formação de névoa úmida e termômetros em torno dos 16°C. No decorrer do dia, o sol predomina e faz calor à tarde. A máxima alcança os 29°C e em contrapartida, os índices de umidade apresentam gradual declínio, com os menores valores próximos a 40%. 


O sábado (20) começa com mínima de 16°C, e a máxima alcança os 30°C durante a tarde. O ar seco predomina e os índices de umidade relativa do ar ficam torno de 35%. Não há previsão de chuvas.


Pouca coisa muda no domingo (21) que começa com temperatura mínima de 19°C. Com o sol e o calor durante a tarde, a máxima pode alcançar os 30°C. Novamente são esperados baixos índices de umidade relativa do ar devido ao tempo seco. Nas horas mais quentes do dia os valores podem oscilar em 30%. O dia termina sem chuvas.


De acordo com os modelos numéricos de previsão, uma frente fria muda o tempo a partir da tarde de segunda-feira (22). “Esse sistema deve influenciar boa parte da semana. São esperadas chuvas e queda nas temperaturas mínimas e máximas”, explica o meteorologista. 


Março termina como o sexto mais chuvoso da série histórica do CGE

01/04/19 13:40 - Segunda-feira

Segundo dados do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura de São Paulo, a Capital paulista registrou 233,3mm de chuva, sendo que a média esperada é de 177,4mm. Ou seja, março de 2019 termina com 31,5% acima da média. Foram 24 dias com chuva, e o 10/03 recebeu o maior volume com 45,5mm. Este foi o sexto março mais chuvoso da série história do CGE, que compila dados desde 1995:


1° - 2006 - 338,8mm

2° - 1996 - 306,2mm

3° - 2015 - 253,9mm

4° - 1995 - 236,3mm

5° - 2014 - 234,4mm

6° - 2019 - 233,3mm


Em 2018 foram 220,5mm com 23 dias de chuva. O março com menor volume precipitado foi o de 2011 com 73,4mm, de acordo com dados do CGE da Prefeitura de São Paulo.


A subprefeitura que registrou o menor volume de precipitação foi a de Pirituba/Jaraguá, Zona Norte, com 135,6mm, seguida de Itaim paulista, Zona Leste com 136,8mm. Já a subprefeitura de M Boi Mirim, Zona Sul, foi a que recebeu o maior volume com 324,9mm, seguida de Jabaquara, também na Zona Sul, com 299,9mm.


Zona Sul - 273,6mm

Centro - 268,4mm

Zona Oeste - 254,7mm

Zona Leste - 214,0mm

Zona Norte - 195,4mm


Março, que marcou o início do outono, transcorreu sob influência do fenômeno El Niño, que esquenta as águas do Pacífico Equatorial, e computou temperaturas praticamente dentro do esperado. A mínima prevista para o mês é 19,1°C mas a média ficou em 18,7°C. Já a máxima esperada é de 28,3°C mas durante o mês registrou 28,4°C. 


“Esse quadro é comum especialmente em épocas de El Niño, que inclusive, deve seguir atuando nos próximos meses, de acordo com a previsão climática. São esperadas chuvas e temperaturas dentro da média à ligeiramente acima”, comenta o técnico em meteorologia do CGE da Prefeitura de São Paulo, Adilson Nazário. 


Para o mês de abril, a média histórica do CGE é de 64,7mm. Em 2018 choveu 31,1mm, ou seja, 51,9% abaixo da média esperada. Já com relação as temperaturas, a média para abril são mínimas de 17,4°C e máximas de 26,3°C. 


Outono começa sob influência do fenômeno El Niño

20/03/19 16:22 - Quarta-feira

O outono começa oficialmente nesta quarta-feira (20) às 18h58. A estação é de transição entre o verão quente e úmido e o inverno frio e seco.


“Durante o outono é comum a gradual diminuição das chuvas, bem como das temperaturas. Além disso, as noites começam a ficar com menos nebulosidade, e a entrada de massas de ar frio ocorre com maior frequência, favorecendo a formação de nevoeiros entre a madrugada e o amanhecer”, explica o meteorologista do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura de São Paulo, Thomaz Garcia.


Este outono transcorre sob a influência de um El Niño enfraquecido. O fenômeno que esquenta de forma anômala as águas do Pacífico equatorial, não deve influenciar diretamente nas chuvas, que neste outono, devem ocorrer de forma irregular, porém próximo da média esperada para a estação, que segundo dados do CGE da Prefeitura de São Paulo, é de 212,1mm.


Já as temperaturas devem ficar ligeiramente acima da média. Mínima esperada de 15,1°C e máxima de 24,2° durante o outono.



Verão


O verão termina com chuvas acima do normal. Segundo dados do CGE da Prefeitura de São Paulo, que compila informações pluviométricas desde 1995, este foi o segundo verão mais chuvoso da série histórica, com 894,3mm precipitados, sendo que o esperado é 655,8mm, ou seja, neste verão choveu 36,4% acima da média. O dia mais chuvoso da estação ocorreu em 16/02 com 72,9mm precipitados. O primeiro verão mais chuvoso foi o de 1995/1996 com 922,4mm de chuva.


Com relação as temperaturas, a média mínima esperada é de 19,4°C, mas a estação termina com mínima em 19,7°C. O dia com a menor mínima ocorreu em 26/01 com 16,1°C de média na cidade. E em 10/02 ocorreu a menor temperatura mínima absoluta do verão, 12,2°C, em Engenheiro Marsilac, Zona Sul.


Já a máxima esperada para o verão é 28,8°C, porém fechou em 30°C. “As máximas tiveram um ligeiro aumento devido ao mês de janeiro ter transcorrido com uma longa sequência de dias quentes. Mas as maiores temperaturas do verão foram registradas em 02/02 com 36,7°C de média na cidade e em 01/02 quando o bairro de Pinheiros, Zona Oeste, marcou 39,1°C”, comenta Garcia.


Mês de fevereiro foi o segundo mais chuvoso, de acordo dados do CGE da Prefeitura de São Paulo

01/03/19 15:07 - Sexta-feira

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura de São Paulo, que compila dados pluviométricos da Capital paulista desde 1995, este foi o segundo mês de fevereiro mais chuvoso da série histórica, com 375,0mm precipitados sendo que o esperado é 210,1mm, ou seja, 78,5% acima da média. O primeiro fevereiro mais chuvoso permanece sendo o de 1995 com 415,9mm, que ficou 98% acima da média esperada para o mês.

"Fevereiro transcorreu sob a influência do fenômeno El Niño, que esquenta de forma anômala as águas do Pacífico Equatorial, e em São Paulo, este fenômeno deixa as temperaturas mais elevadas. Além disso, o fato da Capital paulista estar muito próxima do Sul do Brasil, onde o El Niño atua com mais intensidade no que se refere às chuvas acima da média, contribui para que São Paulo recebesse chuvas mais intensas”, explica o meteorologista do CGE da Prefeitura de São Paulo, Thomaz Garcia. 

“Após um fim de janeiro e um início de fevereiro com temperaturas muito elevadas devido a presença de um bloqueio atmosférico, uma frente fria acompanhada de uma massa de ar frio trouxeram mudanças no tempo com chuvas mais frequentes e volumosas. O dia mais chuvoso ocorreu em 16/02/19 com 72,9mm, que equivale à 35% da média do mês que é de 210,1mm”, complementa Garcia.


Temperatura e Umidade

Em fevereiro foi registrada a maior temperatura do ano em São Paulo e a maior da série histórica do CGE da Prefeitura de São Paulo, que compila dados desde 2004. Em 02/02/2019 foram 36,7°C. Neste mesmo dia o bairro de São Matheus, na Zona Leste, registrou a maior temperatura absoluta com 38,7°.

Mas no geral, as temperaturas ficaram ligeiramente abaixo da média esperada para o mês que é de 19,7°C a mínima e 29,7°C de máxima. O mês registrou uma média de temperatura mínima de 18,9°C e máxima de 28,6°C, ou seja, em torno de 1° grau de diferença tanto para as mínimas quanto para as máximas. 

Com relação à umidade relativa do ar, tivemos apenas os dias 01/02/2019 e 02/02/2019 que apresentaram índices abaixo dos 30%, considerado inadequado para a saúde de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Nos demais dias de fevereiro, a umidade relativa ficou acima dos 30%.


Para o mês de março

Março continua sob influência do fenômeno El Niño, que esquenta de forma anômala as águas do Pacífico Equatorial. A média esperada de chuva para este mês é de 177,4mm. O março mais chuvoso, segundo dados históricos do CGE da Prefeitura de São Paulo, foi o de 2006 com 338,8mm. Na sequência de meses que recebem mais chuvas durante o ano, ele é o 4º mais chuvoso. Em primeiro lugar temos janeiro, em segundo fevereiro, e em terceiro temos dezembro.

Com relação à média de temperatura para o mês, são esperadas, mínimas de 19,1°C e máximas de 28,3°C.


Feriado prolongado de Carnaval deve transcorrer com tempo instável na Capital paulista

28/02/19 16:48 - Quinta-feira

De acordo com dados do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura de São Paulo, a sexta-feira (01), que marca o primeiro dia dos desfiles das escolas de samba na Capital paulista, será marcado por muitas nuvens, ventos provenientes do quadrante sul e chuva ao longo do dia.


Os termômetros oscilam entre 18°C na madrugada e 24°C no início da tarde. “Durante os desfiles das escolas de samba a probabilidade de chuva é menor”, comenta o meteorologista do CGE da Prefeitura de São Paulo, Thomaz Garcia.


“No sábado (02), o sol aparece entre muitas nuvens pela manhã, mas entre a tarde e à noite, o ar abafado gera áreas de instabilidade que provocam chuva em forma de pancadas moderadas a fortes, com trovoadas, rajadas de vento e potencial para formação de alagamentos.


“Essas instabilidades podem inclusive se prolongar até a hora dos desfiles das primeiras escolas de samba, mas vai diminuindo no decorrer da noite e madrugada”, explica Garcia. Mínima de 18°C e máxima de 26°C.


O domingo (03) começa com céu nublado e temperatura mínima de 18°C. Nas primeiras horas da tarde há previsão de pancadas de chuva com até forte intensidade que devem se prolongar até as primeiras horas da noite.  A máxima prevista é de 27°C.


Pouca coisa muda na segunda-feira (04), que começa com muitas nuvens e temperatura mínima em 19°C. A máxima alcança os 28°C. Novamente há condição para chuvas na forma de pancadas com até forte intensidade que começam no período da tarde e se prolongam até o início da noite.


Na terça-feira (05) de Carnaval o sol aparece entre muitas nuvens pela manhã, com mínima de 19°C. As temperaturas entram rapidamente em elevação e as máximas alcançam os 30°C. “As pancadas de chuvas ocorrem de forma isolada durante a tarde com até forte intensidade, devido ao calor e a entrada da brisa marítima” finaliza o meteorologista do CGE da Prefeitura de São Paulo.


São Paulo registra segundo dia mais quente da história do CGE

01/02/19 18:08 - Sexta-feira

De acordo com dados das 29 estações meteorológicas automáticas do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas da Prefeitura de São Paulo, esta tarde (01) registrou a temperatura média máxima de 36,4°C em São Paulo. Essa é a maior temperatura média máxima do ano e a segunda maior de todo o histórico do órgão, que compila dados desde 2004. As maiores temperaturas absolutas foram observadas nas estações de Pinheiros, com 39,1°C, Butantã, com 38,0°C, e São Mateus, com 37,7°C.

“O bloqueio atmosférico que atua sobre as regiões Sul e Sudeste mantém as temperaturas altas e continua inibindo a formação de nuvens de chuva sobre São Paulo”, explica Adilson Nazário, técnico em meteorologia do CGE.

O dia mais quente de todo o histórico segue sendo o dia 19 de janeiro de 2015, quando os termômetros registraram média de 36,5°C na cidade.

O calor continua até domingo, quando a chegada de um sistema frontal abaixará as temperaturas. 

Tendência para os próximos dias

A passagem de uma frente fria por São Paulo no domingo traz chuva e diminui o forte calor registrado nas últimas semanas.

O sábado (02) começa abafado, com sol e poucas nuvens na Grande São Paulo e Capital. Os termômetros devem registrar mínimas de 21°C e máximas que podem chegar facilmente aos 35°C. Os índices de umidade do ar ainda permanecem baixos, com os menores valores próximos dos 32%. No final da tarde retornam as condições para a ocorrência de pancadas de chuva, que devem se estender para o período da noite e ser potencializadas pela aproximação de uma frente fria pelo oceano.

No domingo (03) o calor diminui em São Paulo. O dia deve começar com céu nublado na madrugada, termômetros em torno dos 21°C e possibilidade de pancadas isoladas no período da manhã. As chuvas ganham força a partir da tarde e se prolongam para o período noturno, na forma de pancadas com forte intensidade e maior volume de precipitação, o que aumenta o risco de formação de alagamentos e transbordamento de pequenos córregos e rios da Capital. A temperatura máxima deve ficar por volta dos 27°C, enquanto as taxas de umidade do ar variam entre 55% e 95%.


Janeiro é o mais quente da série histórica em São Paulo

01/02/19 10:28 - Sexta-feira

O mês de janeiro foi o mais quente da série histórica do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas da Prefeitura de São Paulo. De acordo com o aferido pelas 29 estações meteorológicas automáticas do CGE distribuídas pela cidade, a média das temperaturas máximas este mês foi de 32,5°C, 4,1°C acima da média histórica para o período. As temperaturas mínimas também ficaram acima do esperado: a média na cidade foi de 20,3°C, superior em 0,8°C ao aguardado. Assim, este mês foi o janeiro mais quente da série do CGE, que compila dados de temperatura desde 2004. 

O dia mais quente deste mês foi o dia 30, que registrou 35,6°C em média em São Paulo. Nesta data ocorreu também a maior temperatura absoluta (38,1°C), aferida no Itaim Paulista. Para efeito de comparação, o dia mais quente observado pelo CGE desde 2004 foi 19 de janeiro de 2015, que teve média de 36,5°C na cidade e absoluta de 38,4°C, observada no Butantã.

“As temperaturas ficaram elevadas em função do posicionamento de um bloqueio atmosférico que impediu a livre passagem das frentes frias por São Paulo durante um longo período”, explica Adilson Nazário, técnico em meteorologia do CGE. “Fevereiro já começa com o rompimento deste bloqueio, o que traz alívio temporário do calor”, completa Nazário.

Chuva e umidade

As chuvas, que totalizaram 263,7mm, ficaram ligeiramente acima da média pluviométrica observada desde 1995, que é de 258,5mm. Entre os 33 pontos em que os índices pluviométricos são monitorados pelo CGE em São Paulo, os mais chuvosos neste mês foram Santo Amaro, com 356,1mm, Sé/Bela Vista, com 338,9mm e Perus, com 324,5mm. Já os locais com menos precipitações foram Parelheiros, Sapopemba e Aricanduva/Vila Formosa, com 187,7mm, 192,2mm e 204,3mm, respectivamente.

Em relação às regiões da cidade, os índices pluviométricos médios foram maiores no Centro (319,3mm), seguido pelas zonas Oeste (301,8mm), Norte (274,3mm), Sul (257,2mm) e Leste (243,6mm).

Dos 31 dias de janeiro, 27 registraram chuva. A média de dias com chuva para o mês, de acordo com o CGE, é de 24 dias. O dia com maior acumulado médio na cidade foi o dia 25, com 30,4mm, seguido pelos dias 4 (21,6mm) e 17 (19,1mm). 

Vale observar que janeiro é, de acordo com os dados do CGE, o mês mais chuvoso do ano em São Paulo. Para fins de comparação, os meses de janeiro com maiores índices foram os de 2010 (464,9mm) e 2011 (412,5mm). Já os janeiros mais secos foram os de 2007 (131,2mm), 1998 (159,3mm) e 2013 (166,9mm).

A umidade do ar se manteve acima dos valores considerados críticos pela OMS durante quase todo o mês, ficando abaixo desse valor apenas durante pequenos períodos dos dias 28, 30 e 31.

Tendência para fevereiro e para os próximos dias

O mês de fevereiro ainda deve transcorrer sob influência do fenômeno El Niño, que favorece a ocorrência de temperatura acima da média e de temporais nos finais de tarde. Assim, as condições de calor e chuvas persistem em fevereiro, mas com eventuais alívios devido à passagem de sistemas frontais intensos o suficiente para quebrar os bloqueios atmosféricos, como o que deve ser observado neste fim de semana.

A passagem de uma frente fria por São Paulo no domingo traz chuva e diminui o forte calor registrado nas últimas semanas.

O sábado (02) começa abafado, com sol e poucas nuvens na Grande São Paulo e Capital. Os termômetros devem registrar mínimas de 21°C e máximas que podem chegar facilmente aos 35°C. Os índices de umidade do ar ainda permanecem baixos, com os menores valores próximos dos 32%. No final da tarde retornam as condições para a ocorrência de pancadas de chuva, que devem se estender para o período da noite e ser potencializadas pela aproximação de uma frente fria pelo oceano.

No domingo (03) o calor diminui em São Paulo. O dia deve começar com céu nublado na madrugada, termômetros em torno dos 21°C e possibilidade de pancadas isoladas no período da manhã. As chuvas ganham força a partir da tarde e se prolongam para o período noturno, na forma de pancadas com forte intensidade e maior volume de precipitação, o que aumenta o risco de formação de alagamentos e transbordamento de pequenos córregos e rios da Capital. A temperatura máxima deve ficar por volta dos 27°C, enquanto as taxas de umidade do ar variam entre 55% e 95%.


São Paulo registra a maior temperatura média máxima do ano

21/01/19 19:05 - Segunda-feira

De acordo com dados das estações meteorológicas automáticas do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura de São Paulo, na tarde desta segunda-feira (21) foi registrada a maior temperatura média máxima do ano na Capital paulista, com 34,7°C. Porém no bairro de Itaim paulista, Zona Leste, este valor foi ainda maior com 37,7°C.

Anterior a este dado, a maior média máxima do ano havia sido registrada dia 08/01/2019 com 34,4°C. Já a maior temperatura absoluta, que é a maior registrada nos bairros da Cidade, foi computada em 09/01 no Itaim paulista, Zona Leste, com 39,6°C.

"A semana terá condições típicas de verão, com sol, calor e pancadas de chuva forte no final das tardes. Não se descarta novos recordes de temperatura", comenta o técnico de meteorologia do CGE, Adilson Nazário.

Na terça-feira (22) as condições atmosféricas não sofrem alterações significativas. O predomínio será de sol com temperaturas em elevação. Os termômetros variam entre mínimas de 22ºC e máximas em torno dos 32ºC. A umidade do ar segue alta, com valores entre 42% e 90%. As nuvens carregadas que provocam chuvas fortes se formam a partir da tarde e se estendem para as primeiras horas da noite.

Na quarta-feira (23) o cenário permanece o mesmo. Madrugada quente e abafada com termômetros por volta dos 23°C. As temperaturas sobem rapidamente e a máxima deve ficar em torno dos 33°C, enquanto os percentuais de umidade do ar oscilam entre 40% e 85%. Mais uma vez os temporais se formam entre a tarde e início da noite em função da chegada da brisa marítima. A chuva forte virá acompanhada de descargas elétricas (raios), eventuais rajadas de vento e até queda de granizo. 


Dezembro é o segundo mais seco desde 1995

02/01/19 12:32 - Quarta-feira

De acordo com dados do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas da Prefeitura de São Paulo (CGE), este mês de dezembro foi o segundo mais seco de toda a série histórica do órgão, que compila dados desde 1995. O acumulado mensal foi de apenas 109,7mm em média na cidade, ficando pouco mais de 42% abaixo dos 190,7mm esperados para o mês. 

“O mês foi caracterizado por chuvas mal distribuídas. As exceções foram os dias 1 e 23, cujas chuvas generalizadas totalizaram 45% do observado no mês”, observa Thomaz Garcia, meteorologista do CGE. 

Apenas em 2013 houve um dezembro mais seco, com 97,2mm. Em terceiro lugar ficaram empatados os dos anos de 1999 e 2003, com 117,2mm. Por outro lado, os maiores acumulados registrados em dezembro ocorreram nos anos de 2012, com 305,1mm, 1996, com 278mm, e 2009, com 260,4mm.

Temperaturas e umidade

Em dezembro, a média das temperaturas mínimas (18,5°C) ficou muito próxima do esperado de acordo com a média histórica (18,9°C). Já as máximas, com 30,1°C em média, ficaram acima do aguardado, que era de 28,2°C. A temperatura máxima se manteve acima dos 30°C entre os dias 10 e 23. “Este período foi o mais quente de toda a primavera de 2018”, ressalta Garcia. 

O mês registrou a tarde mais quente do ano de 2018 em 17 de dezembro, com 34,8°C em média na cidade. A máxima absoluta, de 37,8°C, foi aferida no dia 14 na estação meteorológica automática de Itaim Paulista, na Zona Leste. 

A umidade do ar se manteve acima dos valores considerados críticos pela OMS durante quase todo o mês, ficando abaixo desse valor apenas durante um curto período do dia 24.

Expectativa para janeiro

O verão, que começou no dia 21 de dezembro, se caracteriza basicamente por dias mais longos e noites mais curtas. Em São Paulo usualmente ocorrem mudanças rápidas nas condições do tempo, que em um breve período varia de sol e calor a chuvas de curta duração e forte intensidade, que ocorrem principalmente no período da tarde.

Neste ano a estação transcorre sob a influência do fenômeno El Niño, que se caracteriza pelo aquecimento anômalo das águas superficiais do Pacífico Equatorial. Com isso, é esperado para o Sudeste um aumento nas temperaturas em relação à média, favorecendo os temporais no final das tardes associados ao calor e à chegada da brisa marítima. Assim, podemos aguardar um verão com chuvas irregulares e temperaturas ligeiramente acima da média em São Paulo.

A quinta-feira (03) será mais um dia típico de verão, com sol, calor e pancadas de chuva entre a tarde e a noite. O solo encharcado eleva o potencial para formação de alagamentos intransitáveis. Mínima de 22°C e máxima de 33°C.

Na sexta-feira (04), o sol aparece entre muitas nuvens no decorrer da manhã e a sensação de tempo abafado predomina. À tarde e à noite, o calor e a aproximação de uma frente fria geram áreas de instabilidade que provocam chuva forte e generalizada, acompanhadas de trovoadas e rajada de vento. Há potencial para formação de alagamentos, transbordamentos e deslizamentos de terra nas áreas de risco. Os termômetros oscilam entre 20°C e 30°C.


Último dia do ano será de sol e calor na Capital paulista

28/12/18 11:19 - Sexta-feira

De acordo com previsão dos meteorologistas do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura de São Paulo, não são esperadas chuvas significativas para os próximos dias, inclusive durante a passagem para o Ano Novo.

No sábado (29), o ar mais seco ganha força e o sol brilha forte o dia todo favorecendo a elevação da temperatura. Mínima de 19°C e máxima de 30°C. A umidade do ar apresenta declínio, com percentuais mínimos em torno dos 45%. Não são esperadas chuvas.

O domingo (30) será mais um dia ensolarado e quente na região metropolitana de São Paulo. O amanhecer terá poucas nuvens e termômetros por volta dos 19°C. Durante a tarde, a máxima alcança os 32°C e não há previsão de chuva.

O quadro se repete na segunda-feira (31) véspera de Ano Novo, que terá um dia ensolarado na Capital paulista. A mínima será de 20°C e a máxima alcança os 32°C. Não são esperadas chuvas, inclusive durante a madrugada.

Já a terça-feira (01), primeiro dia de 2019, começa com mínima de 20°C. O sol brilha forte no decorrer do período e a máxima alcança os 32°C. “A combinação de calor e umidade formam áreas de instabilidade que atuam de forma isolada durante a tarde na Capital paulista”, comenta o meteorologista do CGE, Thomaz Garcia.

Os modelos numéricos de previsão apontam que a primeira semana do ano transcorre sob condições típicas de verão, com muito sol, calor, sensação de tempo abafado e pancadas de chuva no período da tarde que podem se prolongar para a noite.

Abril de 2019


D S T Q Q S S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30

Março de 2019


D S T Q Q S S
24 25 26 27 28 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31

Fevereiro de 2019


D S T Q Q S S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28